Sétimo volume de Death Note – Black Edition expande e explica o universo aos leitores

The Walking Dead S08E09: Série entrega o episódio mais emocionante em muito tempo
26/02/2018 Redação GC

The Walking Dead S08E09: Série entrega o episódio mais emocionante em muito tempo

The Walking Dead muitas vezes foi uma série capaz de esgotar seu espectador, de fazê-lo ficar chocado e abalado com o que viu em cena. Sempre ofereceu despedidas brutais e súbitas, como aconteceu com Glenn, Abraham, Beth, Hershel e companhia. Mas nem sempre conseguiu produzir momentos tocantes, que geram uma emoção mais genuína no público.

Ao longo de oito temporadas foram centenas de mortes, mas dá pra contar nos dedos aquelas sequências realmente carregadas de emoção, capazes de fazer os fãs chorarem. Foi assim com a morte de Lori, por exemplo. Em seu retorno após o intervalo de mid-seasonTWD consegue entregar seu episódio mais emocionante em muito tempo, talvez desde que Carol se viu obrigada a matar Lizzie, enquanto a pedia para olhar para as flores (só de lembrar dá vontade de chorar…). Isso aconteceu lá na quarta temporada, há mais de quatro anos.

Agora, a série segue os acontecimentos do episódio anterior, que acaba com a chocante revelação de que Carl havia sido mordido por um zumbi. O nono capítulo da atual temporada, como não poderia deixar de ser, centra quase toda atenção em Carl e o faz de forma muito especial.

ATENÇÃO! O restante do texto conta com spoilers do último episódio.

Intitulado “Honor” (Honra, na tradução literal), o episódio começa voltando a dois momentos que haviam sido pulados na primeira metade da temporada. Temos a cena de Carl sendo mordido e o momento em que os Salvadores conseguem escapar, obrigando Morgan a fugir correndo do posto em que estava. Conhecendo o talento de TWD em enrolar a história, bateu até um medo de que o episódio fosse boa parte em flashback, mas felizmente não é o que acontece.

Carl e Morgan são justamente os personagens no centro da atenção do capítulo, dividindo bem o espaço em cena. Neste sentido, é importante destacar que a série consegue de forma elegante e inteligente criar um paralelo entre os personagens, que passam por momentos tão diferentes. Nas duas frentes temos um importante debate sobre humanidade, sobre utopia, sobre buscar um mundo melhor, em que a violência não seja o último caminho. Em seus últimos instantes, Carl tenta salvar a alma do pai, tão amargurado, e que perto de perder o filho poderia se entregar de vez à barbárie. Por outro lado, Morgan está mais radical do que nunca, disposto a não deixar um Salvador vivo para contar história.

O estado de Morgan é bem aprofundado pela primeira vez através dos olhares de Carol e Ezekiel. O choque dos personagens é bem mais eficiente do que as palavras vazias de Jesus na primeira metade do ano (o que foi aquela luta dos dois na floresta?).

Mas, como não poderia deixar de ser, o grande chamativo do episódio é a despedida de Carl.Chandler Riggs se despediu do personagem mostrando o quanto evoluiu como ator nestes últimos anos. Nas últimas temporadas, os fãs se acostumaram com despedidas brutais. A de Carl é lenda. E por isso dói tanto. É difícil não se emocionar no momento em que os personagens que se conhecem a tanto tempo se despedem um do outro. E aí falo não apenas de Rick ou Michonne. Ainda que discreta, a despedida de Daryl foi das mais tocantes.

Por mais que aparentemente banal, a despedida de Carl é uma das mais significativas em oito anos de série. Mais que isso, é uma das raras que fala sobre esperança. A morte de Lori foi trágica e marcou a perda da inocência de Carl. A do garoto pode significar um ganho de virtude para todo o time de Alexandria.

O episódio também serviu para “resolver” aquele misterioso flashfoward do primeiro episódio, que trazia Rick com a barba bem grisalha. Tudo levava a crer de que aquilo era um sonho, mas era mais que isso. Era um ideal. Outro momento importante foi a montagem logo no início – uma espécie de mini-episódio engarrafado -, com Carl fazendo coisas triviais após saber que iria morrer. A montagem é interessante e a trilha ao som de “At The Bottom Of Everything”, do grupo Bright Eyes, torna tudo mais reflexivo e bonito.

Tão judiado com altos e baixos nos últimos tempos, os fãs de The Walking Dead mereciam um episódio como esse. E, mais, mereciam a oportunidade de se despedir com propriedade de um querido personagem. E finalmente tiveram isso.

TWD é exibida no Brasil aos domingos, às 23h30, nos canais FOX e FOX Premium.

Fonte: http://www.adorocinema.com/noticias/series/noticia-138163/

GEEK NEWS

Copa do Mundo 2018: festa mexicana criou miniterremoto na capital do país

Copa do Mundo 2018: festa mexicana criou miniterremoto na capital do país

Unreal Tournament ganha demake jogável para o Atari 2600

Unreal Tournament ganha demake jogável para o Atari 2600

Vingadores 4 | Descrição de teaser exibido em festival indica múltiplas realidades no filme

Vingadores 4 | Descrição de teaser exibido em festival indica múltiplas realidades no filme

IBM cria Summit, supercomputador mais rápido do mundo de 200 petaflops

IBM cria Summit, supercomputador mais rápido do mundo de 200 petaflops

Pokémon GO – Jogo finalmente anuncia sistema de trocas

Pokémon GO – Jogo finalmente anuncia sistema de trocas

Os mais velhos personagens de desenhos animados

Os mais velhos personagens de desenhos animados

Ouça a trilha sonora de 8 Mulheres e Um Segredo

Ouça a trilha sonora de 8 Mulheres e Um Segredo

Peter Parker ganhará alguns novos amigos na sequência de Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Peter Parker ganhará alguns novos amigos na sequência de Homem-Aranha: De Volta ao Lar

SAIBA TUDO QUE ESTÁ ROLANDO!

Twitter

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Instagram

    Geek City – O maior evento de tecnologia e cultura pop do sul do Brasil.         Desenvolvido por PonteVedra.AG

    Posts relacionados